Fórum das Centrais constrói agenda de luta contra retrocesso e convoca ato nacional no dia 10/11

 
Dirigentes das principais centrais sindicais exibem jornal unitário com agenda de atos nacionais de resistência e defesa dos direitos
Em reunião nesta quinta-feira (26), a CTB junto com as demais centrais (UGT, Força Sindical, Nova Central, CUT e CSB) definiram os últimos detalhes para a construção do Dia Nacional de Mobilizações, greves e paralisações em defesa dos direitos e contra a reforma trabalhista, da Previdência e o trabalho escravo.
Na oportunidade, as centrais aprovaram um jornal unitário orientando a população para as ações em todo o Brasil no próximo dia 10 de novembro e que será distribuído em uma ampla agenda de panfletagem. Mas, já ficou indicado que o material terá como foco as estações do Metrô e os Terminais de Ônibus de São Paulo nos dias 30 e 31 de outubro e no dia 7 de novembro.
Adilson Araújo: “Testemunhamos o maior ataque do capital contra o trabalho, mas o movimento sindical fará valer sua trajetória de luta em nosso país”
Com foco na base e na orientação sobre os retrocessos com a Reforma Trabalhista, as centrais sindicais aprovaram uma cartilha unitária que denuncia o crime que essa nova norma trará para a vida de milhões de trabalhadores e trabalhadoras em todo o Brasil.
Também há na pauta a construção de uma reunião em Brasília com a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Associação Brasileira de Imprensa (ABI), Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Organização Internacional do Trabalhão (OIT), Ordem Dos Advogados do Brasil (OAB) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) com o objetivo de reforçar uma articulação institucional contra a agenda regressiva que acaba com os direitos trabalhistas.
“As centrais estão focadas na agenda de novembro. A CTB renova sua convocação a toda a sua base na construção, nos estados, de um grande ato nacional dia 10 de novembro”, reafirmou o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo.
E completou: “O momento é de resistência e muita luta. Testemunhamos o maior ataque do capital contra o trabalho, mas o movimento sindical fará valer sua trajetória de luta em nosso país. Resistir a todo custo, será o grito que ecoará pelo Brasil dia 10 de novembro”.
Joanne Mota – Portal CTB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *